Febre amarela é detectada em macacos em Santana

O Prefeito Walace Sebastião Vasconcelos Leite informa que, em 25 de outubro, foram localizados macacos mortos na estrada que liga o Centro do Município ao distrito de Sossego. Assim que foi notificada, a Vigilância em Saúde procedeu a coleta dos animais e o envio de amostras ao laboratório da Gerência Regional de Saúde de Belo Horizonte (GRS/BH) e, na última quarta-feira (06), recebeu os resultados dos exames, que apontaram a presença de febre amarela nos primatas mortos.

O Prefeito afirma que a Administração está atenta ao recente episódio e tomando as medidas preventivas focalizadas, conforme determinado pelo Ministério da Saúde. O Prefeito reafirma que diversas ações preventivas contra a febre amarela tiveram início assim que o Município recebeu a primeira notificação da morte dos animais. Entre as ações, o Prefeito destaca a intensificação da vigilância e monitoramento de animais mortos e o bloqueio vetorial. Afirma, ainda, que, apesar da presença da doença em macacos, não houve, até o momento, qualquer notificação da presença em humanos.

A Secretaria Municipal de Saúde e Saneamento informa que os cidadãos que ainda não se vacinaram devem procurar as UBSs do Centro ou do Bairro das Flores, sendo necessária apenas uma dose da vacina ao longo da vida para garantir proteção. Após a vacinação, o organismo leva aproximadamente dez dias para ficar imune à doença. Para evitar a contaminação, a Secretaria reforça a importância da população manter suas casas e quintais livres de possíveis criadouros do mosquito Aedes Aegypti, responsável pela transmissão da febre amarela aos humanos.

Os sintomas da febre amarela são febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos por cerca de três dias. Pessoas com estes sintomas deverão procurar a Unidade Básica de Saúde do seu distrito para receber os atendimentos necessários.

A Secretaria reforça que os macacos não transmitem a febre amarela aos seres humanos e que são importantes no monitoramento da presença da doença. Assim, os animais não devem ser capturados ou mortos pela população e que a presença de animais doentes ou mortos deve ser imediatamente informada à Secretaria através do telefone (32) 3275-1031 para que as devidas providências sejam tomadas.